CÁ ENTRE NÓS

por Jocê Rodrigues

Não dá pra pensar ou falar de música sem levar em consideração o fascínio e a poética dos encontros. É através deles que o mundo segue o seu destino de ser mundo, de ser habitação para os sentidos. “As mudanças são encontros de mundos que se movem” e cada um de nós carrega em si não apenas um mundo, mas um universo inteiro, enquanto a voz se encarrega de contar a existência deles.

O que Malvina propõe com esse projeto é justamente o encontro de universos singulares narrados pela potência da voz, esse instrumento primordial. A voz que tece a história de uma caminhada onde os detalhes são pintados não com palavras, mas com notas musicais precisamente colocadas a flutuar nas águas das emoções, criando ondas, fauna e flora, dando ao mundo particular sua merecida gênese.

O nome “Cá Entre Nós” é plural: ao mesmo tempo em que sugere uma ação entre amigos, intimista, é também um convite para que qualquer pessoa possa ficar por dentro desse acontecimento; um convite para uma proximidade aconchegante e é exatamente essa a sensação que temos ao assistirmos os sete capítulos dessa primeira temporada, a de estarmos ali, comungando com o prazer particular do avistamento desses universos, como astronautas à deriva em um oceano cósmico.

Por vezes buscamos a beleza em coisas complexas, intrincadas e quase indecifráveis (talvez pelo poder que a superação de tamanho obstáculo parece conceder a um indivíduo), quando possivelmente ela, a beleza, está nos detalhes pequenos, nas minúcias que vestem a realidade e que são desnudadas pela voz. Quando digo “voz”, me refiro não apenas ao fenômeno comunicativo humano, estou a falar também da produção de discursos poéticos que estão além da comunicação pragmática. Portanto, refiro-me também à voz dos instrumentos que acompanham Malvina como extensão de seus instrumentistas executores; vozes que se costuram umas nas outras, formando sutis camadas sonoras que nos cobrem como mantos quentes em noite fria.

A parte visual de todo o projeto também está impecável, figurinos e cenários muito bem compostos, onde a sempre graciosa Malvina divide espaço com talentos da geração atual, compartilhando talentos e criando possibilidades através dos encontros, da união não apenas de desejos, mas também visões de mundo.
Cá entre nós, você não pode perder.